Vacinas Não Oferecidas Pela Rede Pública | Imunocamp
Atendimento de segunda à sábado das 10h às 22h
Pq. Dom Pedro Shopping
Av. Guilherme Campos, 500. Campinas / SP

Ver no mapa

(19) 3756-7912 | 3385-0105 | 99891-3456

(19) 3756-7912
(19) 3385-0105
(19) 99891-3456

Vacinas não oferecidas pela Rede Pública

  • A meningite é uma doença infecto contagiosa causada pela neisseria meningitidis.

    A transmissão se dá por gotículas de saliva e aumenta sua prevalência no inverno devido aos ambientes mal ventilados (fechados). Para sua prevenção recomenda-se também não compartilhar alimentos.

    É indicada, e esta licenciada pela Anvisa a partir de 2 meses de vida , sem limite máximo de idade.

    É conjugada e portanto promove imunidade duradoura.

    Protege contra 4 tipos de meningite (A, C,W e Y), sendo que alguns desses tipos são muito prevalentes em outros continentes .Importante ser tomada tanto para a proteção inicial quanto para os indivíduos já vacinados apenas contra a meningite C (reforço para adolescentes e adultos). Recomendada também para viajantes.

    Esta contida no calendário vacinal da SBIM (Sociedade Brasileira de Imunizações).

  • Essa vacina está liberada pela Anvisa para maiores de 2 meses de vida , sem limite de idade. É recomendada pela Sociedade Brasileira de Imunizações, pois apresenta maior cobertura contra os principais pneumococos causadores de doença invasiva circulantes no nosso meio.

    O Streptococccus pneumoniae (pneumococo) é um importante agente causador de pneumonias, septicemia, meningite, além de otite média aguda e sinusites. Alguns pneumococos podem causar doença invasiva tais como a meningite, septicemia, bacteremia e presença de pneumococo no líquido pleural (derrame pleural).

    Os sorotipos incluídos nessa vacina foram responsáveis por 90% das doenças invasivas causadas pelo pneumococo. Ela é sucessora da vacina anti pneumocócica 7 valente e complementa os sorotipos faltantes na vacina 10 valente presente na rede pública.

    Inclui os sorotipos 1, 3, 5, 6A, 7F, 19A, além dos já componentes da vacina prevenar 7.

    É a única vacina que tem os sorotipos 3, 6A e 19A.

    É indicada para prevenir doença pneumocócica invasiva, meningite pneumocócica, pneumonia e otite média aguda.

  • A hepatite A é uma doença viral, cujo contágio geralmente se da forma fecal–oral. Acomete geralmente pessoas expostas a condições de pouca higiene condições de saneamento básico insatisfatório.

    As manifestações clínicas características em grupos pediátricos são febre, mal-estar, anorexia, náuseas, vômitos, dor abdominal e diarréia. O surgimento de icterícia, fezes claras e urina escura são acompanhados por uma melhoria do estado geral, e a recuperação em geral se dá em poucas semanas sem deixar seqüelas. Porém em alguns indivíduos pode evoluir para falência hepática aguda.

    As vacinas contra hepatite é licenciada no Brasil e pode ser administrada a partir de 1 ano de vida com reforço após 6 meses da dose inicial.

    As vacinas contra hepatite A, disponíveis no Brasil, são, na maioria, produzidas com vírus cultivado em células diplóides humanas,inativados com formaldeído e adsorvidos ao hidróxido de alumínio.Tem baixa reatividade e eficácia entre 94 a 100%.É administrada a partir de 1 ano de vida com reforço após 6 meses da dose inicial.

    É oferecida pela Rede públíca de Saúde na forma de dose única para crianças menores que 5 anos e maiores de 1 ano de vida.

  • A difteria é causada por uma bactéria, que se aloja na nasofaringe , e causa na maioria dos casos manifestações clínicas no local da infecção (faringotonsilar). A maioria dos óbitos por difteria se deve aos efeitos da toxina em vários órgãos, principalmente o miocárdio (miocardite precoce entre o terceiro e o sétimo dia, com evolução geralmente fatal e miocardite tardia depois da segunda semana de evolução).

    O tétano tem distribuição mundial e não é exclusivo do ser humano, já que alguns mamíferos podem adquiri-lo. No Brasil a grande maioria dos casos de tétano ocorre em adultos.

    O tétano neonatal ocorre em filhos de mães não vacinadas de maneira adequada, que nascem em más condições de higiene.

    A coqueluche é uma doença causada pelo agente Bordetella pertussis e causa inicialmente quadro de infecções de vias aéreas superiores , evoluindo depois para acessos de tosse, e complicações tais como: pneumonia bacteriana, crises de hipóxia com posterior dano cerebral, com letalidade global de 1 para cada 250 casos.

    A vacina anti coqueluche disponível na rede pública é feita de células inteiras dessa bactéria sendo muito reatogênica, causando um número maior de efeitos adversos.

    As vacinas contra pertussis do tipo acelular (DTPa) estão disponíveis nos Centros de Imunobiológicos Especiais (CRIEs) para crianças que apresentaram reações adversas sérias como síndrome hipotônico hiporresponsiva e crise convulsiva febril após a administração de vacina feita com células inteiras (DTPw).

    Reação anafilática grave com a vacina DTPw é uma contra-indicação formal para doses adicionais de vacinas que tenham componentes semelhantes. Já o aparecimento de encefalopatia de etiologia desconhecida ocorrendo dentro de sete dias de aplicado a vacina DTP, seja de células inteiras ou acelular, contra-indica doses adicionais de vacinas contra pertussis. Assim a tríplice bacteriana em crianças deverá ser substituída pela dupla infantil (DT).

    *OBS: Essa vacina esta disponível na rede pública de saúde para gestantes a partir do terceiro trimestre de gestação. Para o restante da população esta disponível com o componente pertussis feito de células inteiras. A vacina disponível na rede privada contempla o componente pertussis acelular. Também na rede privada temos essa vacina disponível combinada com a vacina anti poliomielite acelular ( DTPa+salk).

    • HEXAVALENTE: contra difteria, tétano, coqueluche acelular, HIB, Hepatite B e SALK.
    • PENTAVALENTE: contra difetria, tétano, coqueluche acelular, HIB e SALK.
    • TETRAVALENTE ACELULAR: contra difteria, tétano, coqueluche acelular e HIB.
    • DTPa+SALK: contra difteria, tétano, coqueluche acelular e SALK.
    • DTPa- adulto: contra difteria, tétano, coqueluche acelular - uso adulto.
  • O rotavírus é o principal agente causador de gastrenterite graves em bebes e crianças pequenas no mundo. Em países com poucos recursos em saneamento básico, e altas taxas de desnutrição ela pode ser responsável por muitas mortes.

    Existem duas vacinas licenciadas anti rotavírus, uma delas esta disponível na rede pública. Ambas são seguras e previnem contra infecção causada por esse vírus em larga escala.

    A vacina pentavalente anti rotavírus (Rotateq) é composta de 5 sorotipos diferente de rotavírus em forma de recombinação de rotavírus bovino–humano. Estão presentes nessa vacina os tipos: G1,G2,G3,G4 e P1 [8].

    O esquema básico de vacinação é composto de 3 doses e a idade mínima para início da vacinação é de 6 semanas e o limite de 14 semana e 6 dias para ser administrada a primeira dose. O intervalo mínimo entre as doses é de 4 semanas, e o recomendável é de 2 meses. A última dose deve ser dada até 26 semanas.

    Ela é contra indicada em crianças que apresentem sintomas de gastrenterite aguda, sangramento nas fezes ou qualquer outra doença e mal formação do trato gastro-intestinal.

  • Algumas vacinas são especiais para quem viaja para áreas acometidas por doenças infecto contagiosas que são imunopreveníveis. São elas:

    Vacina Anti Cólera

    A cólera é uma doença causada por vírus e causa diarréia , febre e vômitos intensos, que se não atendidos a tempo,leva a desidratação importante e até ao óbito.

    A prevenção é não comer alimentos crus ou mal cozidos principalmente peixe e frutos do mar, e não ingerir água ou gelo feito com água não tratada ,em áreas de risco.

    Não recomendada em crianças menores de 2 anos de idade.

    Vacina Anti Febre Tifóide

    A febre tifóide é uma doença febril aguda que traz risco de morte causada pela bactéria Salmonella enterica typhi.

    Essa doença é transmitida quase que exclusivamente por alimentos e água contaminada pelas fezes e urina de pacientes portadores. A água poluída é a fonte mais comum da transmissão tifóide. Ademais, crustáceos pescados de água contaminada por esgotos, vegetais fertilizados com esterco e que são consumidos crus, leite e laticínios contaminados tem demonstrado ser uma fonte de infecção. A febre tifóide foi praticamente eliminada na maior parte das áreas industrializadas com o advento de instalações sanitárias apropriadas. A maioria dos casos em países desenvolvidos é importada de países endêmicos.

    O risco é maior para os viajantes com destino ao Subcontinente Indiano e outros países em desenvolvimento da Ásia, da África, do Caribe e da América Central e do Sul, que ficarão expostos por um longo período a comidas e bebidas potencialmente contaminadas. A vacinação é particularmente recomendada para aquelas pessoas que viajam para cidades menores, aldeias e áreas rurais fora dos itinerários turísticos convencionais. Os viajantes devem ser informados de que a vacinação contra a febre tifóide não é 100% eficaz e não substitui a escolha cuidadosa dos alimentos e bebidas.

  • A meningite causada pelo meningococo B após a introdução da vacina anti meningite C em 2010, passou a ser percentualmente a principal causa de meningite meningocócica nos últimos anos no nosso país.

    Licenciada pela Anvisa desde de janeiro de 2015, é indicada para bebês acima de 2 meses a indivíduos de até 50 anos de idade.

    É uma vacina recombinante possui quatro antígenos (proteínas subcapsulares) do meningococo B: NHBA, NadA, fHbp e PorA. Não é uma vacina conjugada, como a meningocócica C ou ACWY. É produzida por uma tecnologia chamada vacinologia reversa, que através do sequenciamento genômico da bactéria, identificou algumas destas proteínas que são comuns à maioria das diferentes cepas de meningococos B circulantes no mundo, embora em proporções e magnitudes de expressão que podem diferir de um país para outro. No Brasil, essa combinação de antígenos permite estimar uma cobertura de aproximadamente 80% dos meningococos B que ocorrem em nosso país.

    Fonte:Informe técnico: Vacina Meningocócica B

  • Está disponível desde agosto de 2016 a vacina anti Dengue.

    Está indicada para pessoas de 9 a 45 anos de idade. Fora dessa faixa etária estudos demonstraram eficácia baixa, portanto não esta indicada.

    Esta contra indicada em gestantes, mulheres amamentando e pessoas com imunidade comprometida.

    É contra indicada também para àqueles que nunca apresentaram dengue anteriormente.

      Estudos demonstram a seguinte proteção:
    • 93% de redução de casos graves da doença
    • 83% de redução de hospitalizações
    • 66% de redução de casos de dengue
    • Eficácia contra os quatro tipos

    São necessárias três doses, com intervalo de seis meses cada dose. Isso significa que a proteção só se alcançará após um ano.

    A Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) e a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) recomendam, em nível individual, em seus calendários, o uso rotineiro da vacina dengue para pessoas de 9 a 45 anos que vivem em região de risco para a doença, no esquema habitual de três doses (0, 6 e 12 meses).

      Fontes:
    • a(http://sbim.org.br/informes-e-notas-tecnicas/sbim/560-nota-tecnica-sbim-sbi-sbp-vacina-dengue) 93% de redução de casos graves da doença
    • a(http://www.sanofipasteur.com/en/media/press_tool_kits/focus_on_dengue/) 83% de redução de hospitalizações